Publicada em 08/08/2018 às 11:37

Vacinação tem movimento tranquilo em Cuiabá

O movimento era considerado normal e a expectativa é que ele cresça ao longo de todo mês, especialmente, no dia “D” marcado para 18 de agosto.

O primeiro dia da campanha nacional de vacinação contra poliomielite e o sarampo começou de forma tímida, em Cuiabá. Em algumas unidades de saúde localizadas na capital, poucos pais aguardavam na fila de espera para imunizar os filhos contra as duas doenças. Porém, o movimento era considerado normal e a expectativa é que ele cresça ao longo de todo mês, especialmente, no dia “D” marcado para 18 de agosto.

Quem não perdeu tempo foi a autônoma Flancyelle Rezende, mãe do pequeno Eric, de 2 anos. “Primeiro ele vai passar por uma consulta e, depois, vai tomar a vacina como reforço porque a vacinação dele está em dia, mas a gente não pode bobear quando se trata da saúde dos filhos”, comentou enquanto aguardava na recepção do posto do Bairro Bela Vista, para onde alguns pais estavam se deslocando depois de passarem pelo Programa de Saúde da Família (PSF) do Canjica.

No PSF, as doses não estavam sendo aplicadas por conta da falta de energia registrada na última sexta-feira. Por conta disso, segundo funcionários da unidade, as doses dos imunobiológicos precisaram ser retiradas do local para evitar a perda. A expectativa era de que ainda ontem a vacinação começasse a ser realizada no Canjica.

No Estado, o objetivo é imunizar 202.216 crianças de um ano até quatro anos, 11 meses e 29 dias de idade. Na capital, a campanha pretende atingir 34 mil meninos e meninas na mesma faixa etária. Para isso, estão sendo disponibilizadas 67 salas de vacinas, incluindo três na área rural – no Distrito da Guia, Aguaçu e Rio dos Peixes -, que reúne as comunidades do Coxipó do Ouro e Barreiro Branco. O horário de atendimento em todas elas são das 08 horas às 11h e das 13h às 16h30.

Em todo país, os casos suspeitos de sarampo que surgiram nas últimas semanas, acenderam ainda mais a necessidade da vacinação, visando diminuir a possibilidade do retorno da pólio e a reemergência do sarampo, doenças estas já eliminadas no Brasil. Em Mato Grosso, o último caso de pólio foi registrado há 30 anos, em 1988.

De acordo com o gerente de Vigilância em Doenças Imunopreveníveis do órgão estadual, Thiago Nunes Rondon, a meta mínima a ser alcançada corresponde a 95% de cobertura vacinal. O Estado já recebeu 100% dos lotes de vacinas contra a poliomielite e de tríplice viral, que imuniza contra o sarampo e também contra caxumba e rubéola. Neste ano, foram recebidas 242.700 doses da tríplice viral e 252.800 doses da poliomielite, conhecida como a “gotinha”.

Até o momento existem 7 casos em investigação, 2 descartados e nenhum caso confirmado para sarampo. Os casos investigados são provenientes de Guarantã do Norte (2 em investigação e 2 casos descartados), Campo Verde do Parecis (1) e Jaciara (2).

Autor: diariodecuiaba.com.br
Fonte: diariodecuiaba.com.br

Comente com o Facebook